A vida é logo aqui

A vida é logo aqui

Organização Nelson de Oliveira

Coleção: Quem lê Sabe Por quê
Faixa etária: (a partir dos 12 ou 13 anos)
ISBN: 978-85-8205-395-9
Ano: 2014
Páginas: 248

Preço sugerido: R$ 36,90
Capa: Brochura
Formato: 14 X 19 cm
Código: 051359

Resumo do livro .

Os contos reunidos nesta coletânea para jovens nos mostram, cada um a sua maneira, o ponto de vista de 15 adolescentes brasileiros diante dos horizontes descortinados na passagem para a vida adulta. Essas ficções falam de felicidade, amor, e amizade, mas também de timidez, injustiça e intolerância. Descrevem a perplexidade do indivíduo que se descobre num corpo que já não reconhece como seu. Expõem a angústia de quem percebe que cresceu e precisa fazer escolhas, nem sempre fáceis. Sobretudo reafirmam a certeza de que a vida não é ontem nem amanhã. Não é lá longe, no passado ou no futuro. A vida é agora. É logo aqui.

SOBRE OS AUTORES
Nelson de Oliveira nasceu em Guaíra (SP), em 1966. Doutor em Letras pela USP, muito cedo percebeu que a literatura é o local ideal para o exercício da liberdade. Incapaz de ser um só, desdobrou-se em outros três autores: o poeta Valerio Oliveira, o desenhista Teo Adorno eo ficcionista Luiz Bras. Sobre esta reunião de contos, o organizador confessa: “Eu quis reunir escritores talentosos num livro de contos que também fosse uma celebração da vida e da juventude. Não tenho dúvida de que consegui.”

Adriano Messias nasceu em Lavras (MG), em 1973. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP foi também pesquisador em Psicanálise na Universidade Paris VIII. É apaixonado por literatura e cinema fantásticos, e autor do livro Maurícia, da editora Baobá, e da série Contos para não dormir, da editora Biruta, entre outros. A respeito de seu conto, ele comenta: “Esta história de terror e suspense coloca Comadre Fulozinha, espírito caboclo que assombra o sertanejo nordestino, no caminho de uma adolescente perdida na caatinga. No ermo, em meio aos infortúnios, Francislene herdará a marca de vários espantos, nem sempre sobrenaturais.”

Carla Caruso nasceu em São Paulo, em 1969. Cursou Letras na PUC-SP e atualmente coordena oficinas de escrita criativa. Dos livros que publicou destacam-se o Almanaque dos sentidos, da editora Moderna, e o Almanaque da palavra, da Callis Editora. Sobre seu conto, ela diz: “Pegar uma estrada é mais do que percorrer um caminho, é pensar e imaginar. Viajo há muitos anos para o interior de São Paulo, encontrando crianças e jovens nas bibliotecas públicas. Esse conto surgiu da paisagem das rodovias, e das crianças de uma dessas cidades, que me contaram sobre os mistérios do lagartiu.”

Claudio Fragata nasceu em Marília (SP), em 1952. Formou-se em Jornalismo pela FAAP-SP e foi editor da revista Recreio. É autor de Histórias mal contadas, da SESI-SP Editora, e Zé Perri, SESI Serviço Social da Indústria a passagem do Pequeno Príncipe pelo Brasil, da Galera Jovem, entre outros. Sobre seu conto, ele diz: “Encontrar o lugar no espaço que cabe a cada um de nós ocupar não é tarefa fácil. Fica ainda mais difícil quando nos sentimos sós, corpos estranhos na escuridão. Gravitar na órbita dos verdadeiros amigos nos ajuda a entrar em sintonia com o que somos e a descobrir nossa própria luz.”

Cristina Porto nasceu em Tietê (SP), em 1949. Formada em Letras pela USP, foi professora e também trabalhou com edição e tradução de textos. Autora de diversos livros, estreou na literatura com o livro Se... Será, Serafina?, lançado pela editora Ática, que publicou também Joana Banana. Sobre a protagonista de seu conto, a autora revela: “Eu procurava loucamente uma ideia iluminada e acabei me defrontando com ela na loucura do fato consumado. Confesso que até eu me surpreendi!”

Flávia Côrtes nasceu no Rio de Janeiro, em 1971. Cursou Letras na UFRJ e atualmente ministra palestras e oficinas literárias. Apaixonada por literatura fantástica e mitologia, é autora de Pra voar mais alto, publicado pela editora Biruta, e de O Segredo das Borboletas, lançado pela editora Garamond, entre outros. A respeito de seu conto, ela comenta: “Não é fácil escolher um entre tantos caminhos que a vida nos oferece, mas são essas escolhas, certas ou erradas, que nos fazem crescer como pessoas.”

João Anzanello Carrascoza nasceu em Cravinhos (SP), em 1962. Doutor em Ciência da Comunicação pela USP, atualmente leciona na USP e na ESPM. É autor de Aquela água toda e Caderno de um ausente, ambos da editora Cosacnaify, entre outros. Sobre seu conto, ele diz: “A juventude é um tempo de experimentações e também de grandes e inesperadas descobertas. Às vezes, de sentimentos que, em criança ou na adolescência, não havíamos ainda provado, por certas pessoas. Foi o que tentei expressar nessa história em que tudo muda graças a um súbito entendimento da realidade.”

Leo Cunha nasceu em Bocaiúva (MG), em 1966. É Doutor em Cinema pela UFMG, professor universitário e autor de Era uma vez à meia-noite, da editora Galera Record, e de Haicais para filhos e pais, da editora Galerinha Record, entre outros. Sobre seu conto, o autor confessa: “É inspirado em conversas que tive com a minha filha, na época em que as manifestações estavam bombando. Todo aquele movimento me deixava fascinado e intrigado, pois reunia ideias libertárias e conservadoras, gente que sabia muito bem o que queria e outros que estavam ali pela farra. Bem no meio do burburinho, imaginei que pudesse brotar uma inesperada história de amor.”

Luís Dill nasceu em Porto Alegre, em 1965. É formado em Jornalismo pela PUC-RS e atualmente é produtor executivo da Rádio FM Cultura na capital gaúcha. Publicou Safári, pela editora Rocco, e O dia em que Luca não voltou, pela Companhia das Letras, entre outros. Sobre seu conto, ele diz: “Ao aceitar o convite para participar da coletânea comecei a pensar em qual SESI Serviço Social da Indústria história contar. Até aí tudo bem. Ocorre que nenhuma das ideias me convencia e o prazo final chegava cada vez mais perto. Finalmente li no jornal uma matéria sobre vamping e então o caminho se iluminou.”

Luiz Bras nasceu na cidade imaginária de Cobra Norato (MS), em 1968. Coordena oficinas de criação literária e publicou Vítor e o invisível e Procura-se uma sereia, ambos pela SESI-SP Editora, entre outros. A respeito de seu conto, ele diz: “Desde o começo eu queria escrever uma história divertida e ao mesmo tempo dramática sobre a crise de identidade, essa difícil experiência que começa na adolescência e às vezes dura a vida inteira.”

Maria José Silveira nasceu em Jaraguá (GO), em 1947. Mestre em Ciências Políticas pela USP, é autora de Cabeça de garota, da editora Ática, e de Estrelário, da editora Positivo, entre outros. Sobre seu conto, a autora revela: “Em 2004, escrevi um livro contando a história de Lana, uma adolescente cujo problema era não ter problemas. Mas tinha o dom de fazer amigos. E já que a adolescência é a idade das amizades – ou de seu doloroso avesso −, busquei outra vez Lana para viver essa história de duas garotas que, embora muito diferentes, tornam-se grandes amigas.”

Marília Pirillo nasceu em Porto Alegre, em 1969. Formou-se em Publicidade e Propaganda pela PUC-RS e, além de escrever, também se dedica à ilustração. Publicou Baratinada, pela editora Biruta, e Bagunça e arrumação, pela editora Prumo, entre outros. A respeito de seu conto, ela comenta: “Crescer, criar asas e ganhar o mundo. Metaforicamente é este o destino natural de todos os adolescentes. Mas esta passagem da infância para a fase adulta traz consigo muitos medos e incertezas. Quando é que você está realmente pronto para sair do ninho?”

Silvana Tavano nasceu em São Paulo, em 1957. É formada pela Escola de Comunicação e Artes da USP e colaborou com importantes revistas e jornais do país. Dos livros que publicou destacam-se As namoradas do meu pai, pela editora Cintra eBook, e Longe, pela editora Salamandra. Sobre seu conto, ela diz: “Crescer nem sempre é fácil, e fica ainda mais complicado quando o que a gente sente, pensa e tem vontade de dizer para o mundo esbarra numa barreira chamada timidez. Pular esse muro é um desafio, mas só quem tenta conquista a chance de descobrir muitos outros jeitos de se expressar. Dani conseguiu.”

Sônia Barros nasceu em Monte Mor (SP), em 1968. Formada em Letras pela UNIMEP, foi professora e também fez teatro, dança e canto. É autora de Onde o céu acontece, da Atual Editora, e O segredo da xícara cor de nuvem, da editora Moderna, entre outros. Sobre seu conto, ela diz: “É a história de uma menina cheia de esperança, coragem e determinação. A despeito da seca do caminho − sua árida realidade −, ela acredita que é possível fazer o sonho florescer.”

Tânia Martinelli nasceu em Americana (SP), em 1964. Formada em Letras pela PUC-CAMP, foi professora de português e agora se dedica integralmente à literatura. Publicou A melhor banda do mundo, pela editora Moderna, e Perseguição, pela editora Saraiva, entre outros. A respeito de seu conto, ela comenta: “Temas delicados me encantam. Provavelmente porque tenho a chance de entrar em contato com a parte mais sutil de mim. Sou mais gentil com as palavras. Exploro a minha sensibilidade. Posso dizer que Robens me sensibilizou.” SESI Serviço Social da Indústria

Tino Freitas nasceu em Fortaleza, em 1972. Formado em Comunicação Social pela UFC e integrante do grupo Roedores de Livros, destaca em seus livros o humor, a crítica social e o experimento com o suporte (papel-livro-objeto) enquanto importante elemento condutor da narrativa. Publicou Controle remoto e Cadê o juízo do menino, ambos pela editora Manati, entre outros. Sobre seu conto, ele diz: “A partir de uma curiosidade incomum (e em comum), misturando músicas, séries de tevê e alguns apuros da idade, três jovens descobrem o que se esconde em cada coração.”



A coleção .

Quem lê Sabe Por quê



A partir de 14 anos .

Baixe os aplicativos SESI-SP em seu smartphone